LOGOS.jpg

NOTÍCIAS



1° de Dezembro de 2016


Participação no CCPPTM.


Na última terça-feira (29 de Novembro de 2016) participamos da reunião do CCPPTM - Conselho Consultivo de Preservação e Planejamento Territorial Metropolitano.


No evento o Plano Distrital de Saneamento Básico e de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, foi colocado em pauta para discussão e divulgação, apresentação realizada pelo senhor Diego Bergamashi - Presidente da Comissão de Elaboração dos Planos.


Participem!!


Se tiver um evento relacionado aos temas, entre em contato pelo facebook ou através do e-mail planodesaneamentodf@gmail.com que levaremos os assuntos para discussão!
A participação popular é de grande importância!






25 de Novembro de 2016


Audiêcnias Públicas.


Os próximos eventos oficiais programados junto à população, são as audiências públicas, previstas para ocorrer a partir de janeiro de 2017, os participantes poderão apresentar propostas que vão ajudar a construir a base das políticas públicas para segmentos que tem impacto direto na vida da população. Com a sociedade mobilizada em torno das discussões e propostas, as chances de se construir um Plano Distrital de Saneamento Básico eficaz, diante das demandas e necessidades dos dias atuais, são bem maiores.

Toda a sociedade civil organizada, como Entidades de Classe, Universidades, Escolas Públicas e Privadas, Igrejas, Líderes Comunitários, Administrações Regionais, ONGs, entre outros segmentos interessados, serão convidados a participar deste importante momento de discussão, reflexão e análise, decisivas às gerações futuras nos próximos 20 anos, período em que o PDSB/PDGIRS deverão estar integralmente implantados.

Desde já, solicitamos ampla divulgação deste importante tema, para que a sociedade do Distrito Federal venha participar ativamente das discussões, e apresente suas pospostas, ideias, projetos e até mesmo críticas, para que eventuais falhas possam ser corrigidas antes da consolidação das políticas públicas.

Para dúvidas, sugestões e acompanhamento dos Planos acesse o site:

Site: www.planodesaneamentodf.com.br

Facebook: @planodesaneamentodf

E-mail: planodesaneamentodf@gmail.com


Caso participe de algum grupo de discussão, conselhos, faculdades, nos convide para participar e debater a respeito dos assuntos, entre em contato:


Comissão do GDF:

SUAA / SINESP - (61)3036-5074 - suaa.sinesp@gmail.com

Secretaria que Preside a Comissão Técnica de Acompanhamento do PDSB e PDGIRS




Contatos da SERENCO em Brasília:


Ricardo Araújo - Assessoria de Imprensa - (61) 9883-4208 ricardo@serenco.com.br

Dante Correa – Publicitário - (41) 99608-2776 - dante@serenco.com.br

Bruno Abreu - Gestor do Contrato - (41) 99934-6115 - bruno@serenco.com.br







15 de Outubro de 2016


Está concluída a primeira etapa de gravimetria de resíduos sólidos do DF.


Durante o período de 20 de setembro a 14 de outubro foi realizada o procedimento que consiste na análise dos resíduos sólidos de todas as regiões do Distrito Federal. A SERENCO Serviços de Engenharia Consultiva realizou as atividades utilizando mão de obra exclusiva de catadores de materiais recicláveis. Os locais que foram realizados as análises foram nos transbordos de Gama e Sobradinho, e nas usinas do PSUL em Ceilândia, e na DL SUL, na Asa Sul. Ao total foram 04 equipes de catadores que atuaram nas unidades.


Os caminhões de coleta, pré-definidos em parceria com o SLU, foram direcionados a estas unidades, para realizar o procedimento.

Após a descarga do caminhão de coleta, o procedimento era iniciado, até que se obtivesse a amostra representativa necessária para iniciar a análise.

Em um primeiro momento os resíduos eram separados por tipologia: Resíduos orgânicos, papéis, plásticos, metais, vidros, rejeitos (resíduos com contaminantes biológicos) e outros resíduos que não pertenciam a nenhuma classificação listada, como os tecidos, medicamentos, isopor, entre outros.


Após essa etapa, os resíduos eram pesados de acordo com sua classificação, e seguiam para uma segunda etapa, separando todas as embalagens existentes na amostra.


Durante todo o procedimento não foi apresentado nenhuma ausência de algum integrante da equipe, as equipes foram as mesmas durante toda a análise. Reforçando o comprometimento dos catadores em prestar o serviço. 








10 de Outubro de 2016


GRAVIMETRIA


Resíduos de coleta de todo o DF passam por análise


Estudo ajudará na elaboração de planos distritais e no planejamento de ações Resíduos da coleta convencional e seletiva em Brasília são separados e pesados, cerca de cinco vezes por semana, desde 20 de setembro. Feito por trabalhadores de cooperativas, o serviço culminará em estudo para ajudar na elaboração, pelo governo, dos Planos Distritais de Saneamento Básico e de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.


Os trabalhos ocorrem em unidades do Serviço de Limpeza Urbana (SLU) em Ceilândia, no Gama, no Plano Piloto e em Sobradinho. A frequência semanal varia de acordo com a região administrativa e com as rotas dos caminhões de coleta. Cada localidade será analisada duas vezes.


Como é feita a análise dos resíduos


Os resíduos passam por pesagem assim que chegam às unidades. O material é espalhado com a ajuda de maquinário e separado em quatro partes. Uma amostra, contendo aproximadamente 1 metro cúbico, é escolhida para análise.


São duas etapas de classificação. Na primeira, a separação ocorre em papéis, plásticos, metais, vidros, pilhas e baterias, orgânicos e rejeitos. Na segunda triagem, a classificação é feita segundo o material, por exemplo: papel branco, papelão ondulado, alumínio, resíduos alimentares e garrafas PET.


A responsável pelo estudo é a empresa Serenco Serviços de Engenharia Consultiva, vencedora da concorrência lançada pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal (Adasa-DF) em 2015. Em abril deste ano, o governo assinou contrato para consultoria especializada que apoiará na elaboração dos planos.


O levantamento ajudará em outras questões. “É importante para saber qual é caraterística do resíduo produzido em cada região. Também permite melhorar o planejamento da logística de caminhões, da coleta e do tratamento”, destaca o diretor-técnico do SLU, Paulo Celso dos Reis. Estudo semelhante foi feito pela autarquia em 2015, mas apenas em 16 regiões administrativas.

Os cooperados que fazem a separação foram contratados pela Serenco, e o trabalho é acompanhado por representantes de cooperativa, do SLU e da empresa.

A previsão do término do Estudo Gravimétrico é que seja feito até o próximo dia 14 de Outubro.

Planos Distritais de Saneamento Básico e de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

Os documentos estão previstos nas Leis Federais nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007, e nº 12.305, de 2010. O de saneamento básico auxiliará o poder público no planejamento para soluções de curto, médio e longo prazos para o abastecimento de água, o esgotamento sanitário, os resíduos sólidos e a drenagem urbana.

Já o de gestão integrada de resíduos sólidos, de acordo com Paulo Celso dos Reis, trata de maneira mais detalhada a questão. “Ele abrange todo tipo de resíduo, como hospitalar, domiciliar, privado, da construção civil, perigoso e químico. É como se, em um, tivéssemos visão panorâmica e, no outro, detalhada”, explica.

O DF conta com um plano diretor de resíduos sólidos publicado em 2008, que, segundo o diretor-técnico, não previa questões como a inclusão socioprodutiva de catadores. O novo plano traz atualizações e contempla diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos.




Fonte: Agência Brasília







30 de Setembro de 2016


AUDIÊNCIA PÚBLICA ADASA


A ideia é que medida seja tomada caso o volume nos reservatórios atinja 25%. Proposta passará por debate em audiência pública na segunda-feira (3). Diretor-presidente da Adasa, Paulo Salles, quer estimular a economia de água na capital.

SAULO ARAÚJO E MARYNA LACERDA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA


Em função da maior crise hídrica da história do Distrito Federal, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa) pretende aplicar 40% de tarifa de contingência, com aumento real de 20% na conta do consumidor. A proposta entra em vigor caso o reservatório do Rio Descoberto e de Santa Maria atinjam volume de 25%. Ela será debatida na segunda-feira (3) em audiência pública na sede da Adasa, no edifício da antiga Rodoferroviária de Brasília, das 9 às 12 horas. Após a redação final, uma resolução será publicada noDiário Oficial do Distrito Federal. Trata-se de um instrumento previsto em lei a fim de forçar a redução do consumo e preservar o recurso enquanto os reservatórios que abastecem a capital continuarem a apresentar níveis preocupantes.


“Não se trata de uma tarifa punitiva, mas uma forma de estimular as pessoas a poupar água”Paulo Salles, diretor-presidente da Adasa.


Nem a chuva dos últimos dias foi suficiente para encher os dois principais aquíferos do DF. Nesta quarta-feira (28), o Rio Descoberto — que abastece 65% do DF — estava com 34,68% do seu volume; e o de Santa Maria, com 47,86%. O ideal é que eles se mantenham com pelo menos 60%.

A taxa de contingência é amparada pela Resolução nº 15, de 16 de setembro de 2016, que colocou Brasília em situação crítica de escassez hídrica. A nova norma estabelece que contribuintes terão de economizar em média de 12% a 15% de água para evitar o valor extra na conta emitida pelaCompanhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb).

O detalhamento do projeto foi apresentado na manhã desta quarta-feira (28), durante entrevista coletiva concedida pelo diretor-presidente da Adasa, Paulo Salles. “Não se trata de uma tarifa punitiva, mas uma forma de estimular as pessoas a poupar água”, destacou Salles.

Quem consome menos de 10 m³ por mês está isento da tarifa

Na prática, o consumidor que ultrapassar o consumo mensal de 10 metros cúbicos (10 mil litros) está sujeito à taxa. Quem utilizar abaixo disso (o que representa 45% dos imóveis do DF) está automaticamente isento de pagar o valor sobressalente. Prestadores de serviços de caráter essencial, como os ligados a hospitais, hemocentros, centros de diálise, prontos-socorros, casas de saúde e estabelecimentos de internação coletiva — a exemplo de presídios — ficam isentos. Os efeitos da resolução vão durar até os reservatórios atingirem estabilidade.
 
O detalhamento do projeto foi apresentado na manhã desta quarta-feira (28), durante entrevista coletiva concedida pelo diretor-presidente da Adasa, Paulo Salles. Foto: Dênio Simões/Agência Brasília.

Essa é mais uma tentativa do governo do DF de minimizar os efeitos da escassez hídrica. Em 21 de setembro, o governador Rodrigo Rollemberg assinou o Decreto nº 37.644, de 2016, determinando redução de 10% no consumo de água nos órgãos que compõe a administração pública. No mesmo dia, a Adasa anunciou a interrupção temporária no fornecimento em seis regiões administrativas: Brazlândia, São Sebastião, Sobradinho, Sobradinho II, Planaltina e Jardim Botânico.


Mais Informações:


Tarifa_contingência

Audiência_Pública


Fonte: ADASA




28 de Setembro de 2016


REUNIÕES PARA DISCUSSÃO DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL


Aconteceu ontem (27 de Setembro) pela manhã na EGOV (Escola de Governo do Distrito Federal) uma reunião para análise e discussão dos diagnósticos situacionais entre a consultora contratada e a comissão técnica dos planos.





23 de Setembro de 2016


INFORMAMOS QUE O SEMINÁRIO DE DRENAGEM URBANA AGENDADO PARA HOJE FOI ADIADO.


cancelado.jpg



21 de Setembro de 2016


REUNIÕES PARA DISCUSSÃO DO DIAGNÓSTICO SITUACIONAL


No dia 19 de Setembro de 2016 a SERENCO, ADASA, NOVACAP, SINESP e SEMA se reuniram para tratar a respeito do diagnóstico situacional (produto 2) da vertente Drenagem e Manejo das Águas Pluviais Urbanas.
No dia seguinte, 20 de Setembro de 2016 a SERENCO, ADASA, CAESB e SINESP, se reuniram com o mesmo intuito para discutir as vertentes de Abastecimento de Água Potável e Esgotamento Sanitário.





Pré-Audiências Públicas



No período de 22 de julho a 05 de agosto de 2016, o Governo de Brasília realizou 11 pré-audiências públicas para auxiliar na elaboração do Plano Distrital de Saneamento Básico e de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PDSB/PDGIRS).


Os eventos tiveram como objetivo escutar a população a respeito das prestações dos serviços de Abastecimento de Água Potável, de Esgotamento Sanitário, de Drenagem e Manejo das Águas Pluviais Urbanas e de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos, relacionando os principais problemas encontrados.


As pré-audiências foram realizadas em 11 localidades diferentes, abrangendo as 31 (trinta e uma) Regiões Administrativas que compõem o Distrito Federal. A escolha dos locais seguiu critérios já utilizados pelo Governo do Distrito Federal no Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT), sendo assim, ocorreram em São Sebastião, Plano Piloto, Guará, Ceilândia, Sobradinho, Gama, Paranoá, Brazlândia, Cidade Estrutural, Pôr do Sol e Vicente Pires.


Estiveram presentes nos eventos mais de 1.000 habitantes do Distrito Federal, deixando valiosas contribuições a serem inseridas no PDSB/PDGIRS, sendo algumas apresentadas a seguir:


Abastecimento de Água Potável

  • Consumo - Incorporar iniciativas para diminuir o consumo da água em nível residencial (uso racional da água);
  • Medição - Implantar medição individualizada nos condomínios;
  • Consumo Mínimo - Não concordam com o consumo mínimo de 10 m³, devendo ser cobrada a quantidade consumida;
  • Tarifa - Valor elevado das tarifas;
  • Falta de água potável para cerca de 2.000 famílias que estão em Áreas de Preservação Permanente (APPs).


Esgotamento Sanitário

  • Conscientização - Necessidade de campanha de conscientização para a população não ligar a rede de esgoto na rede de água pluvial.
  • Tarifa - Não concordam que a tarifa de esgoto seja igual à tarifa de água;
  • Fiscalização - Ausência de fiscalização dos lançamentos irregulares de esgoto;
  • Atendimento - Demora no atendimento para reparos na rede;
  • Fossas - Remediação das fossas que foram desativadas.


Drenagem e Manejo das Águas Pluviais Urbanas

  • Incentivo - Incentivo a áreas permeáveis nos terrenos;
  • Nascentes - Proteção das nascentes;
  • Fiscalização - Falta de estrutura do GDF para fiscalizar a impermeabilização dos lotes;
  • Pavimentação - Incentivar a utilização de pavimentos permeáveis, para auxiliar na drenagem e, consequentemente, alimentar o lençol freático;


Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos

  • Coleta Seletiva - Definir e cumprir o horário;
  • Comunicação - Falta de comunicação sobre a coleta seletiva.
  • Fiscalização - Ausência de fiscalização das empresas coletoras de entulho;
  • Educação Ambiental - Programa de educação ambiental para a separação adequada dos materiais recicláveis;
  • Não existem pontos para entrega de pilhas, baterias, óleos de cozinha, volumosos (sofá) e eletrônicos.


Os próximos eventos a serem realizados para a população do DF serão três audiências públicas, para apresentação e consolidação dos Diagnósticos Setoriais, sendo as contribuições recebidas nas pré-audiências incorporadas nestes relatórios.

Em breve, a versão preliminar e mais informações sobre as audiências públicas estarão disponíveis neste site e na página do Facebook: @planodesaneamentodf.


Lembrando que a participação popular deve acontecer durante todo o período de elaboração dos planos.


Participe e Contribua.







O que é Saneamento Básico


No Brasil, a Lei Federal n.° 11.445/2007 define Saneamento Básico como o conjunto dos serviços, infraestruturas e instalações operacionais de:


  • Abastecimento de água potável;
  • Esgotamento sanitário;
  • Drenagem e manejo das águas pluviais urbanas;
  • Limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos.

                        

O Plano de Saneamento Básico (PSB) é um instrumento indispensável da política pública de saneamento básico, no qual se identifica, qualifica, quantifica, organiza e orienta todas as ações, públicas e privadas, por meio das quais esses serviços públicos devem ser prestados ou colocados à disposição. A elaboração do PSB é uma exigência legal estabelecida na Lei Federal nº 11.445, de janeiro de 2007, que define as diretrizes nacionais para o saneamento básico.


​Um dos princípios fundamentais dessa Lei é a universalização dos serviços de saneamento básico, para que todos tenham acesso ao abastecimento de água com qualidade e em quantidade suficientes às suas necessidades, à coleta e ao tratamento adequados do esgoto e dos resíduos sólidos, e ao manejo correto das águas pluviais.





     Participação Popular


    A participação da população nesse processo dar-se-á por meio de reuniões, oficinas temáticas, debates em audiências públicas, consultas públicas ou participação de órgãos colegiados de caráter consultivo 


    Os eventos serão promovidos de forma a possibilitar a participação de todos os interessados, como também, para receber críticas e sugestões. A participação da sociedade contribuirá em conformidade com as políticas públicas de saneamento básico e, consequentemente, para a melhoria da qualidade de vida da população no Distrito Federal.


    Para ampliar a participação social na elaboraçãodo Plano Distrital de Saneamento Básico e no Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, serão promovidos eventos em várias localidades, através da divisão espacial do DF em 11 UTAPs (Unidades Territoriais de Análise e Planejamento), contemplandoas 31 regiões administrativas, a fim de facilitar a participação de todos. São elas:


    • Regiões Administrativas


    • Unidades com Déficits em Saneamento





    Clique na imagem e faça o download.



    Curta nossa página no Facebook